E mór tal

Me fiz deus de mim
assassinando o algoz
em minhas retinas
retintas

uma obra salobra
desta vida seca
não por falta de
lágrimas

inerte no vácuo
da órbita do óbito
em erupção
vulcrânica

nesse caixão de pele e osso
que há de ser mais eterno
que o terno
que visto

sem assédio
culpa, pressa
ou intermédio

matei meu carrasco,
o tempo,
de tédio.

Anúncios

Uma resposta em “E mór tal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s